Artigos

08h00

Vale a pena?

Vimos semana passada um espetáculo que muitos aplaudiram, posto que acharam que as prisões de Sérgio Cabral e Garotinho expressavam uma satisfação cidadã geral. Outros, porém, questionaram os excessos acontecidos, em especial no que diz respeito a um problema de saúde de um dos detidos. Em momento que vi, no entanto, de um lado, o desespero da mulher e filha de um dos presos, que evidenciava pânico quando da sua transferência para o cárcere, imaginando que aquilo não aconteceria, apesar de haver a possibilidade, uma vez que áudios divulgados remontaram a ações para evitar tal desdobramento. Já do outro, fotos vazaram com roupa do presídio, em pose fotográfica de bandido, com cabelo cortado e expressão de “casa caiu”.

Pus-me, então, a perguntar se àquela altura, humilhados, eles refletiam se o que fizeram compensou por tudo pelo que estavam passando e fazendo as famílias passarem? É possível que sim, porque ainda se aposta, por arrogância, no poder político e econômico como esteio na impunidade. 

É fato que a insatisfação é uma das condicionantes dos seres humanos, na busca contínua do mais. Distinga-se, porém, de pronto, que nesta procura há diferença de ação entre ambição e ganância. Alguém disse que ambição é mola propulsora de realizações e conquistas, e, por conseguinte, se encontra no elenco de qualidades humanas; já a ganância foge dos parâmetros de valores positivos, estabelecendo-se entre os defeitos de caráter. A ambição constrói possibilidades legítimas, a ganância destrói o que pode ser impeditivo ao alcance de metas eleitas como marca de chegada, em equivocado conceito de vitória. O ambicioso não se preocupa, em geral, com a vitória do outro, ele quer também o pódio; já o ganancioso quer devorar tudo para si, e o outro pode servir apenas como escada ou cúmplice, sem qualquer vínculo de ética.

É neste espetáculo deprimente que estamos vendo homens “poderosos” caindo em suas próprias redes de vilania e desonestidade, onde a queda, em efeito dominó, de devedores da justiça se estabelece para o regozijo, muitas vezes até meio sádico, de alguns expectadores que também guardam lá os seus pecadilhos de desonestidade, no dia a dia cidadão. É certo que faz bem, sim, ver que não existe um Olimpo brasileiro, e sim um país com sede, em alguns momentos até sanha, de reestruturação de valores de cidadania.

Acompanho, contudo, as posições de amigos e analistas dos mais variados segmentos da sociedade em um vale-tudo discursivo de defesa dos seus admirados, de forma tal que os crimes ficam de fora, nada interessa a não ser passar a bola, ou melhor, as algemas, para o outro lado. 

Li recentemente que a honestidade não deixa pessoa alguma rica, mas deixa livre...

 

José Medrado

Mestre em Família pela UCSal

Fundador e Presidente da Cidade da Luz

Pre | Desktop e Tablet
Centro de Cultura e Arte Pai João
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de Assistência
Caravana Fraterna
Colabore
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Oficina de costura Romana Medrado
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Oficina de costura Romana Medrado
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2017. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo | Agência Digital