Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

08h00

Pingos nos "is"

A TARDE fez extensa matéria sobre o novo regime jurídico para a rede de abrigos no Brasil, que foi regulamentado pela Lei 13.019/2014. A Cidade da Luz tem neste capítulo excelência de ação de mais de 30 anos, reportada, inclusive, pelos órgãos públicos, desde o trabalho de acolhimento em si, de reinserções familiares e naturalmente da transparência das contas. Assim, não temos dúvidas de que esta reforma nasce de um processo de teóricos que não guardam experiência de campo.

Eis as justificativas reportadas na matéria: 1 – o novo regime visa considerar exigências que envolvem seleção das propostas, até a prestação de contas. Não haverá mais convênio e sim edital de chamamento – Ora, ora, estamos lidando com crianças e não com licitação de mercadoria, logo se há dificuldades em prestações de contas, que se apoiem as instituições que necessitem de organização para tanto, visto que muitas delas nasceram de almas generosas, que só pensavam em abrigar crianças, não em abrir uma empresa; 2 - que haja maior transparência na aplicação do recurso público – onde a fiscalização, os controles para esta checagem? Precisa mudar para o que deve ser a praxe?! 4 - Houve mudança dos valores de repasse para maior – Falácia, visto que se uma instituição abrigava, por exemplo, 80 crianças e tinha uma renda per capita para 80, mas agora só poderá ter 20, mesmo com o aumento essa matemática não fecha, no sentido das demandas de gastos com a criançada. Por outro lado, mesmo que a instituição não queira o recurso público, será obrigada a seguir o novo marco regulatórioesuas exigências, mesmo não concordando.

Ainda: impõe-se recepção de adolescentes de até quase 18 anos nos abrigos, alegando a não separação de irmãos. Mas isto já existe, irmãos ficam no mesmo abrigo. Mas cada abrigo guarda um perfil de ação, pelas idades que acolhem. Assim, pensemos: um abrigo com meninas de 14, 15 anos receberá um quase homem de 17 anos, estranho a elas... hormônios, impulsividade sexual, e aí, de quem será a responsabilidade?

A reinserção familiar já existe, a Cidade da Luz tem recorde estadual nesta ação. De qualquer forma, não concordamos com a maioria das mudanças, logo deixaremos com tristeza de fazer abrigamento. Em verdade o que se percebe é uma tentativa de extinção dos abrigos, para gerarem famílias acolhedoras. O ECA já fala desta ação: pessoas que receberão recursos financeiros para cuidarem de crianças em suas casas. Qual seria o mote dessas pessoas? Eaindicação? Claro que há instituições não sérias, mas a grande maioria nasceu do amor de pessoas que queriam ajudar. Geralmente, no particular de apoio público, a rede de abrigo só conta com servidores abnegados, nada mais.

José Medrado

Mestre em Família pela Ucsal e

fundador da Cidade da Luz

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de Assistência
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Caravana Fraterna
Colabore
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Centro de Cultura e Arte Pai João
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital