Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

16h26

Assédio ou estupro?

Nos últimos dias se falou muito sobreoassédio de José Mayer à figurinista da Globo, sem vínculo, Susllem Tonani. As redes sociais fervilharam, em um misto de indignação e perplexidade. A vítima fez forte desabafo ao blog da Folha de São Paulo. Em um trecho disse: “Foram meses envergonhada, sem graça, de sorrisos encabulados”. Chamou-me a atenção que no relato ela registra que as mulheres que presenciaram as investidas riam, sem qualquer reação. Após a divulgação das minúcias do assédio, ou melhor, do estupro – precisa registrar que estupro é toda vez que alguém investe contra a vontade de outrem, em sua intimidade sexual. Não é necessário que o agente tenha efetivado a condição para concretizar o desejo, basta que a ameaça seja séria, capaz de intimidar. É como agem os que se julgam com algum poder. Muitos defendem, inclusive, que mesmo no ato de uma relação sexual consensual, por exemplo, um dos parceiros pede para parar e não é atendido e se prossegue, é estupro.

Voltando: como se não bastasse a indiferença das colegas que presenciaram, após o relato dos meses de assédio, outras mulheres começaram, absurdamente, a questionar por que ela demorou tanto para reagir? Insinuando, inclusive, algo não contado. Ora, ora, esta falta de solidariedade feminina é lamentável, o que demonstra total desconhecimento do que de fato seja estupro, e toda violência emocional que o traveste.

A cultura machista estabelecida na sociedade tem, em parte, a sua manutenção sobre as próprias mulheres que, quando não se acham culpadas pelo que ocorreu, não se sentem apoiadas firmemente em suas denúncias.

Onde existem vaidade, poder, dinheiro, fama, veem-se grandes possibilidades de abusos e assédios em todas as direções. Há de se reagir. Apesar de ser do senso comum, mas nunca é demais gerar a empatia, perguntando-se se naquela situa- ção como reagiríamos se ocorresse com um dos nos nossos afetos?

Muitos afirmam que estamos vivendo momentos difíceis, em especial no Brasil, onde as pessoas estão se permitindo tudo, sem a menor desfaçatez ou mesmo constrangimento, desde um simples furar fila até desviar bilhões da Nação. É preciso, por consequência, que não deixemos certas questões banalizarem, mesmo com a insistência e repetição com que acontecem. A omissão é uma forma de escolha, de posicionamento, de tomada de lado e sempre, claro, da pior maneira possível. Se por um lado não podemos acreditar em tudo que ouvimos ou lemos, de outro é indispensável que criemos o nosso senso crítico avaliativo, reflexivo sobre tudo que acontece na sociedade a que estamos inseridos, e ajudando a formar. É preciso agir sem as paixões que cegam, mas com inflexibilidade da ética que engrandece.

 

José Medrado

Mestre em Família pela Ucsal
e fundador da Cidade da Luz

Coluna Opinião/Jornal A Tarde

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Oficina de costura Romana Medrado
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Colabore
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital