Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

08h00

Farinha pouca...

A cada dia que passa se evidencia mais e mais o compromisso dos senhores políticos, de uma maneira geral, com o princípio da farinha pouca, meu pirão primeiro. A agilidade com que buscam financiar as suas permanências no jogo político é de uma competência e eficácia extraordinárias. São pródigos em ajustes, acertos em seus interesses.

É assim que a Comissão Especial da Reforma Política da Câmara tem evidenciado a sua expertise. Foram aprovados R$ 3,6 bilhões em financiamento para campanhas políticas deles. Um grande valor, sem dúvida alguma, a fim de se ter uma ideia, caro leitor, em confronto com os números do Orçamento Geral da União se verifica que é muito mais que os R$ 2 bilhões que repassou a todos os municípios do país para implantar creches pú- blicas nos últimos cinco anos. Exatamente, nos últimos cinco anos; equivale quase ao orçamento anual da Polícia Rodoviária Federal, queéde R$ 3,7 bilhões, e que estava na iminência de paralisar as suas funções; representa 12% dos quase R$ 30 bilhões que o governo gastará este ano com o programa Bolsa Família e, acredite, é maior que o orçamento do Ministério da Cultura deste ano, que é de R$ 2,7 bilhões.

Lamentavelmente, a nossa população guarda uma espécie de preguiça moral, onde não busca se informar, acompanhar, fiscalizar para onde está indo o nosso dinheiro. Vemos aqui e ali, em reportagens, geralmente televisivas, o cidadão se queixando de que paga impostos, mas se vê frustrado nas prestações de serviço público, porém parece que só fica no campo da retórica, posto que não se desincumbe de exigir dos seus “representantes”, dos seus “empregados” a devida prestação de contas de suas atuações.

A compreensão que estamos tendo deste tsunami de corrupção é que toda esta dinheirama desviada é para nutrir a “democracia” brasileira, em um sistema apodrecido que funciona no toma lá, dá cá, em presentinhos de brincos de R$ 800 mil, em “empréstimos” de R$ 2 milhões, em sítios, apartamentos, e tendo, do outro lado, nós, os viventes na planície, uma carga tributária de 36% de nossa renda per capita em impostos. E, por favor, vamos deixar de cinismo em comparar com de outros países da Europa, pois a contrapartida daqueles governos em nada se parece com a nossa.

O antropólogo Roberto DaMatta diz que o fato de o povo não lutar por seus direitos, em maior ou menor grau, também pode ser explicado pelas pequenas infrações que a maioria comete no dia a dia, razão pela qual fica uma espécie de vergonha em cobrar o que não faz, ainda que em escalas bem diferentes. O que não deixa de ser verdade, razão pela qual “seja em você a mudança que quer ver no mundo”, disse em suas palavras Gandhi. Aí é o difícil.

 

José Medrado

Mestre em família pela Ucsal e

fundador da Cidade da Luz

Pre | Desktop e Tablet
Oficina de costura Romana Medrado
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de Assistência
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Centro de Cultura e Arte Pai João
Colabore
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital