Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

12h00

Decepção

No ano passado, quando a hoje presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia, tomou posse, fez um pedido de licença para quebrar o protocolo. Ao cumprimentar primeiro não a maior autoridade presente, o presidente Michel Temer, mas "Sua Excelência, o povo". Depois chegou a vez das pessoas que recorrem ao Judiciário, e só depois as autoridades presentes. Empolguei-me. Pensei: agora vai. Aí está uma mulher, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) que faz jus a ser servidora pública. Realmente exultei. E imaginei que a partir de então a Suprema Corte nacional deixaria de ser apenas uma protocoladora de interesses políticos.

Decepção. A senhora ministra tem demonstrado que, digamos, se rendeu aos argumentos políticos dos que a visitam, para, curiosamente, sempre desempatar as questões jurídicas levadas àquela Casa, de forma a frustrar as expectativas nacionais, de um modo geral. 

Vimos, por exemplo, que no último dia 27 de setembro, a ministra desempatar placar no STF, que discutia o ensino religioso confessional nas escolas públicas. Argumentos que “pode-se ter conteúdo confessional em matérias não obrigatórias nas escolas [públicas]”. Ela considerou não haver na autorização conflito com a laicidade do Estado, conforme preconiza a Constituição, uma vez que a disciplina deve ser ofertada em caráter estritamente facultativo. Ora, ora, em país cada vez mais policiador, como será que funcionará esta “matéria facultativa”? As religiões que, em geral, sofrem intolerância terão acesso a este ensino? Como? Lamentável.

A outra demonstração de, digamos, falta de altivez da ministra foi quando do julgamento da eficácia das medidas cautelares, tomadas pelo STF sem consultar previamente ou mesmo depois o Senado e ou Câmara Federal. Seguramente, poderemos fazer a ilação de que a visita do presidente do Senado à ministra teve um  ar de acertos. É o que parece. 

Acompanhei a votação a partir de um determinado momento, pela televisão, até o instante do voto da presidente. Não sou jurista, mas percebi claramente a senhora Carmen Lúcia titubeando, vacilando na fala, como se a boca falasse o que a mente não tinha o convencimento, não concatenava. Argumentos desencontrados – tanto assim que foi preciso depois o decano da Corte “interpretar” o voto dado. Estabeleceu-se, sacralizou-se a impunidade, estimuladora do destemor dos senhores políticos quanto à punição de seus atos, que, em verdade, eles próprios estão dando mostras cabais da sua autoconfiança a tal ponto, que mesmo a Lava Jato em franca ação, eles continuam com as suas redes de corrupção e dinheirama saindo para todos os lados. Desanimador, mas vamos para frente...
 

* José Medrado é líder espírita, fundador e presidente da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal.

Pre | Desktop e Tablet
Caravana Fraterna
Colabore
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Grupo de Assistência
Oficina de costura Romana Medrado
Caravana Fraterna
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital