Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

17h00

A cultura do ódio

O ataque ao presidenciável Jair Bolsonaro evidenciou o que a psicologia das massas tem dedicado especial atenção, nos processos sociais que surgem com base em uma frustração, que degenerando em medo de perder alguma coisa, ou mesmo de não conseguir o que se aspira, por exemplo, busca na reação de ódio a sua forma de compensação. Depreende-se de Freud, em Psicologia das massas e análise do Ego, de 1921, que todo desejo grupal é projetado no e ou pelo líder que, em alguns casos, dominado pelo desejo de poder e de autoengrandecimento, busca manipular, controlar esse grupo, funcionando como uma espécie de porta-voz das angústias, desilusões e perdas. De logo, percebemos bem claras tais situações em partidos de direita e esquerda no Brasil. Naturalmente,eaí vem o autoengano, os lados se culparão reciprocamente, mas, em análise desapaixonada, o fato é que ambos guardam as suas responsabilidades no processo.

Não é novidade que de há muito se tem buscado, em campanhas políticas, condição de manipulação e identificação de bodes expiatórios, que possam capitanear toda uma insatisfação reinante em grupos que se sintam desamparados, perdidos, sem liderança. O problema, no entanto, é quando se cai na tentação de se eliminar o elemento perturbador, que na avaliação dos seduzidos, se torna o responsável de tudo de ruim que está acontecendo em nossas expectativas de bem-estar. O pesquisador comportamental Patrick Wanis cita a teoria do grupo fora do grupo, quando nos sentimos ameaçados por pessoas específicas, nós recorremos instintivamente ao nosso grupo – aqueles com quem nos identificamos –, para nos fortalecer, em uma espécie de mecanismo de sobrevivência de um ideal, de sonhos.

O psicólogo Bernard Golden acredita que quando o ódio envolve a participação em um grupo, isto pode ajudar a promover um senso de conexão e camaradagem que preenche um vazio na identidade e desamparo das pessoas. O ódio de indivíduos ou grupos na direção de outros grupos e ou pessoas é uma forma de criar a própria identidade. O ódio está fundamentado em algum senso de ameaça percebida. O indivíduo consumido pelo ódio pode acreditar que a única maneira de recuperar algum senso de poder sobre a sua dor é atacar preventivamente os outros. Nesse contexto, cada momento de ódio é um adiamento temporário do sofrimento interno.

O ódio deve ser aprendido, Golden diz: “Todos nós nascemos com a capacidade de agressão e de compaixão”. As tendências que abraçamos exigem uma escolha consciente por indivíduos, famílias, comunidades e nossa cultura em geral. A chave para superar o ódio éaeducação em casa, nas escolas e na comunidade, em processo contínuo do direito de autoafirmação pessoal.

 

 José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Grupo de Assistência
Colabore
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Caravana Fraterna
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Centro de Cultura e Arte Pai João
Colabore
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de Assistência
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital