Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

Retrotopia

Acabei de ler o livro Retrotopia, o último  escrito por Zygmunt Bauman, o grande pensador da modernidade líquida, falecido em 2017. O livro retrata o fenômeno atual em que se tenta resgatar ideias e ideais do passado, como nacionalismo exacerbado, valores ultrapassados, como forma de se construir um futuro, na inclinação de tentar reviver uma zona de conforto daquilo que se conhece, por ter sido vivido. É uma nostalgia que revive utopias que nunca se tornaram efetivamente verdadeiras, muito menos poderão por igual motivo ser resgatadas. É uma espécie de medo do que poderá vir, no confronto do que existe de vivência, conceitos e experiências dentro de cada um.

Vemos, portanto, que nesta marcha à ré dos valores surge uma tentativa de desconstrução de verdades já estabelecidas socialmente e, por conseguinte, em parte, já aceitas, mas que incomodam e geram medo aos que se afivelam por um lado em valores dissimulados e hipócritas, muito ao gosto de vários líderes religiosos, bem como discurso pronto e formatado de acordo com as ondas e correntes surfadas por políticos.

 A certa altura Bauman cita Svetlana Boym, professora de literatura eslava comparada em Harvard, quando afirma que esta onda nostálgica é um anseio emocional por uma comunidade com memória coletiva, uma espécie de desejo ardente de formação de grupos unidos em um mundo fragmentado por ideias. Entendemos, assim, os reverses que, por exemplo, temos visto na aceitação da teoria de gênero, visto que até o Supremo Tribunal Federal já havia feito a compreensão jurídica da união estável, bem como direitos de família a casais homoafetivos. Naturalmente que isto não tem nada a ver com ideologias político-partidárias, são, em verdade, posicionamentos pessoais de quem nunca aceitou o avanço civilizatório dos direitos civis. 

 Parece que se busca um mecanismo de defesa na reconstrução de falsos valores existentes na sociedade. Falsos porque vividos hipocritamente, como a família feliz, idealizada, mas nunca realizada. É isso que vemos em muitas promessas de retomadas de “valores” reconstrutivos da família ideal, como pano de fundo de ideologias difundidas nos dias atuais. Há uma disposição de se confundir questões verdadeiras, existentes no cerne da sociedade com ideologias extremistas, voltadas a visões fantasiosas do passado gerador de tantas repressões e usurpação da liberdade de ser. O novo mais uma vez assusta, e no lugar de covardes para o novo, usam a palavra conservador. Busca-se uma alternativa para a leitura de um presente perdido, ainda que só esteja diferente, gerando assim visões seletivas que têm sido plenamente manipuladas por interesses quase sempre inconfessáveis. Sigamos sem medo, mas atentos ao presente.

José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz,

palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio

 

  •  
Pre | Desktop e Tablet
Oficina de costura Romana Medrado
Colabore
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Colabore
Grupo de Assistência
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital