Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

11h00

SERÁ QUE É SÓ BANDIDO?

Não guardo dúvida alguma que neste momento em que ecoam as notícias das mortes na comunidade de Paraisópolis, na capital de São Paulo, muitos estão dizendo: Ah! Esses pancadões ou bailes funks são uns antros de criminosos. Outros estarão afirmando que a polícia se excedeu, inclusive se vê em vídeos – se comprovados - registros das agressões policiais . As versões do que ocorreu são divergentes, a PM afirma que agiu em resposta a criminosos que atacaram policiais e tentaram se esconder dentro da festa. Participantes do baile e moradores da favela dizem que PMs encurralaram frequentadores, o que levou ao pisoteio das vítimas, em uma viela da comunidade. Esperando que tudo seja esclarecido, o fato é que essa comunidade tem cerca de 100 mil habitantes, sendo que um em cada três habitantes é jovem, entre 15 e 29 anos. Esses jovens buscam lazer, ainda que sabido que esses pancadões incomodam, geram distúrbios, propiciam a bandidos desenvolverem suas ações criminosas em todos os sentidos e direções.

Não se discute, mas, sim, e aí? Só existem bandidos, malfeitores...é sabida a existência de inúmeras ações sociais em benefício da comunidade, mas continua o problema: será Paraisópolis um gueto maldito, uma zona umbralina onde as pessoas que lá estão buscaram por lá morar porque queriam participar de quadrilhas, gangues? Não há trabalhadores honestos e os seus filhos que, por falta de intervenção verdadeira de políticas públicas, inclusive direcionadas ao lazer, querem dar vazão aos seus estresses do dia a dia, de tudo: transporte ruim, saúde precária, subempregos?

​Não discuto que os moradores sofrem nestes lugares, a música, em geral, tem conteúdo chulo, expressando revolta e agressões, não se tem livre acesso para ir e vir, inclusive se necessário for dar ou pedir socorro...tudo verdade. Mas, sim, são brasileiros de segunda, de terceira? O que precisa é serem abafados, ignorados, esquecidos, vistos com desprezo? O olhar precisa ser amplo, sem extremismo de qualquer natureza. Há sim bandidos oportunistas que se aproveitam da ausência do Estado e se estabelecem, mas aqueles que lá estão, sem dúvida, a maioria, amordaçados pelo medo, sujeitando-se ao inferno desses paredões por falta de condições de buscar a tranquilidade em um outro lugar para morar, vão fazer o quê?

​Essas questões devem ser associadas a políticas de Estado, onde o Poder Público precisa agir na prevenção, para evitar reações, no entendimento que o caminho é desopressar, gerando paz social, através da suas variantes sabidas por todos, mas desdenhadas, menosprezadas por muitos, inclusive de nós, que guardamos a segurança de uma morada sossegada.

* José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio.

Pre | Desktop e Tablet
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Oficina de costura Romana Medrado
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Colabore
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Grupo de Assistência
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Caravana Fraterna
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital