Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

O jogo do recalque

Ao ver as notícias sobre as carreatas e apelos pela volta da ditadura, por apoiadores do presidente Bolsonaro, eu fico me perguntado qual seria, de fato, o sentido de tudo isto? Desde o próprio a discursar com indiretas de que está com os manifestantes, dando a entender algo sombrio até os inocentes úteis que, certamente, não viveram, sequer leram, algum livro-relato deste período trevoso do Brasil. Sou de querer trinchar o comportamento das pessoas através de suas linguagens verbais e gestuais, tentando entender o seu ego (no campo da Filosofia significa a personalidade de cada um, seu eu, já com mais complexidade, na psicanálise, a grosso modo, é entender e procurar mitigar as cobranças do que somos e está mais escondido das exigências da realidade). Dessa forma, o ego está sempre em formação, construção, incorporando a ele aspectos exteriores de cobiça e admiração, dentre outras. Dito isso, o ego é o guardião de defesa do psiquismo, sua integradora e humanizadora de suas exigências e ameaças advindas da realidade exterior. Esses mecanismos de defesa são processos subconscientes desenvolvidos pela personalidade, os quais possibilitam à mente criar uma solução para conflitos, ansiedades. Poderemos, por analogia, e considerando que são muitos os processos que se buscam para esta proteção, o fato é que esses mecanismos fazem parte dos procedimentos utilizados pelo eu para desempenhar sua função principal, que em geral quer evitar o perigo da ansiedade, os desprazeres, ressentimentos e frustrações não resolvidas conscientemente. Voltando às carreatas e ao presidente, cada um deles guarda, no meu humilde e superficial entendimento, a tentativa de não se frustrar no que esperava de expectativa, que foi tisnado pela decepção do que não aguardava de um lado e outro, como o de não se ver uma economia voar, ainda que não estivesse, e não se ter um poder que julgava possível. Os indivíduos sabem que algo os ameaça, mas evitam de qualquer forma que tal conteúdo venha à consciência, reprime-o, recalca-o ainda que por si só seja autoevidente, mas o que importa, agrupam-se, seguindo a quem possa ajudar na manutenção desta “proteção” de suas frustrações e desencantos não solucionados ao nível da consciência. O pior é quando esse tipo de proteção não basta a aí surgem defesas mais, digamos, agressivas, como a recusa da realidade (em todo ou em parte), necessitando, não raro, de uma reconstrução de uma neorrealidade, cujo processo pode levar à posição de delírios, de se personificarem como enviados a salvar um país, por exemplo, com consequências imprevisíveis, dependendo do acirramento, desespero mesmo, pela defesa de seus recalques e frustrações.

José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz.

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Colabore
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Colabore
Oficina de costura Romana Medrado
Centro de Cultura e Arte Pai João
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital