Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

Poder religioso na mira

O abuso do poder religioso se encontra na mira do Judiciário, equivalendo-se ao considerado abuso do poder econômico, como motivo para cassação de mandatos parlamentares. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), trouxe o inferno para o meio político com a propositura de se discutir o tema. As declarações do ministro geraram ira nos parlamentares que compõem a bancada evangélica, o que não seria para menos, considerando o poder de “voto” e condução que, de um modo geral, esses senhores asseguram em seus fiéis. A verdade é que, sendo o Estado laico, há de se respeitar todas as religiões, e ele não pode favorecer uma em detrimento de outra. Desse modo, é vedado ao governo ou aos agentes públicos de um Estado laico deixar que a sua fé influencie as suas decisões como pessoas públicas, no comando do que deveria ser para o bem público em geral, em políticas públicas sem ideologia de quaisquer naturezas. O que vemos, infelizmente e em sentido contrário, são as ideologias religiosas ditando regras, boicotando cidadania, avançando sobre direitos de minoria. Já se estabeleceu até critério para escolha de ministro do Supremo Tribunal Federal, onde o próximo deverá ser evangélico. Absurdo! Onde fica o notório saber jurídico. Claro que a religião é algo pessoal e os seus valores não podem ser impostos à coletividade, a uma população, na arrogância de que esses senhores condutores desta ou daquela religião sabem o que é melhor para o povo. Soa autoritarismo, para ficarmos apenas neste degrau conceitual. O favorecimento de alguns valores em detrimento de outros pode ocasionar conflitos civis e religiosos e que o Estado, enquanto organismo que deve garantir a igualdade, não pode fazer a prevalência de nada que seja contrário à defesa do plural, em uma sociedade democrática. É sim, e para muitos, um poder de manobra, à velha moda do voto de cabresto que alguns equivocadamente pensam que fora extinto com o desuso do coronelismo. De forma alguma, pois agora se arregimenta também em nome da fé e do seu poder de imposição. O ministro Fachin em boa inspiração, assevera: “A imposição de limites às atividades eclesiásticas representa uma medida necessária à proteção da liberdade de voto e da própria legitimidade do processo eleitoral, dada a ascendência incorporada pelos expoentes das igrejas em setores específicos da comunidade”. É bem assim. O certo mesmo é que em um Estado laico não se admite qualquer ação governamental ou estatal apoiada em questões de fé, como também se torna inaceitável admitir que assuntos religiosos assumam o caráter de lei para a garantia da hegemonia de apenas um grupo religioso. Há brasileiros também não cristãos, inclusive ateus.

José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz

Pre | Desktop e Tablet
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Colabore
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Grupo de Assistência
Caravana Fraterna
Centro de Cultura e Arte Pai João
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital