Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

Aos pobres e pretos nada

Já faz alguns anos que o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso afirmava que o Brasil ainda é um país excessivamente hierarquizado e dividido em classes, o que tem reflexos na justiça. “A justiça, e sobretudo a justiça penal brasileira, é dura com os pobres e mansa com os ricos (...)”.

Naturalmente, esqueceu de ainda dizer para os pobres, em especial pretos e da periferia. Você leitor poderá dizer que estou sendo lugar comum, que todos sabemos disto. Aí é que surge o problema: sabemos e deixamos normalizar, tornar-se o habitual. Acostumamos e, então, se estabelece o vício social, onde as vozes ficam restritas às redes sociais, apenas em comentários do tipo: “uma vergonha”, “um absurdo”...

Foi nesta toada que vimos o senhor ministro presidente do Superior Tribunal de Justiça, Noronha, dar prisão domiciliar ao senhor Fabrício Queiroz e a sua esposa foragida, e ainda com a recomendação de que ela precisaria voltar para cuidar do marido. Veja, prezado leitor, que caridoso (foi uma ironia).

Não questiono, de forma alguma, o direito ao privilégio concedido ao senhor Queiroz. É legal, porém ele, o ministro,  em situação igual e análoga denegou 700 pedidos, afirmando, depois da divulgação, que não haveria como ver todos os casos. Não entendi? Só poderia ver do protegido por gente importante e com caros advogados? Delegasse, então, aos médicos prisionais que checassem os casos peticionados. 

A indignação precisa ser ativada econceber atitudes construtivas, produzindo inspiração, motivação, entusiasmo e formas que busquem transformar as situações “indignas” naquilo que entendemos ser correto ou justo. 

Não poderemos ficar passivos a uma espécie ainda de colonização, onde os herdeiros das capitanias hereditárias, ou mesmos os eleitos democraticamente se sintam donos, loteadores da vida nacional. Vimos, por exemplo, que o tal desembargador Siqueira, aquele que humilhou em Santos um guarda municipal, já havia respondido a cerca de 40 processos por conduta, digamos, abusiva.

E estava ali, mais uma vez, achando-se o tal, a grande “otoridade”. E o que aconteceu?  A sociedade, repito, não pode ver isso como normal, muitos menos se autoconvencer de que “é assim mesmo” e nada vai mudar.

Líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio.

Pre | Desktop e Tablet
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Colabore
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital