Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

Banalização de tudo

Hannah Arendt, pensadora alemã, criou a expressão banalidade do mal, em seu livro Eichmann em Jerusalém, cujo subtítulo é “um relato sobre a banalidade do mal”, não guardava a ideia que no Brasil do século XXI, banalizar-se-ia tudo. Vemos que as redes sociais criaram uma espécie de democratização da informação, onde tudo é dito, sabido instantaneamente, porém se neste aspecto há grandes vantagens, vimos, por outro lado, também, o crescimento do “direito” da falta de informação. Há nas pessoas um imediatismo de consumo de informações, sem respeito, ou o mínimo de cuidado, na produção de real conhecimento. É um vale tudo para a preponderância das tais “narrativas”, não importando questões éticas. Criam-se mentiras para reafirmarem mentiras. Nesse processo de banalização de tudo, ou seja, tornar algo sem importância, vulgarizar, como estratégia para destruir o poder de um fato real, de uma verdade, até mesmo de uma ideia. Dessa forma, começa a se tornar verdade o princípio do ministro da Propaganda na Alemanha Nazista, entre 1933 e 1945, Paul Joseph Goebbels, quando afirmava que “uma mentira repetida mil vezes, torna-se verdade”. As polarizações, inclusive, políticas, geraram campos propícios ao processo de anulação do sentimento crítico de avaliação, fazendo prevalecer o raciocínio afetivo, não o racional. E assim, por outro lado, cresce uma onda de hipocrisia social, escudada nos chamados “valores de família e cristãos”, em enganosa tentativa nostálgica de se voltar ao passado. Ele não volta, mesmo sabendo que existe por parte de muitos estudiosos a teoria da História Cíclica, onde afirma que as forças humanas mais relevantes acabam motivando a ação das pessoas a seguir uma ciclicidade. Essas forças são mais notadas na religião e na política, onde se vêm tentativas de repetição de fatos. A falha, no entanto, entendo, dessa teoria, é a dinâmica da própria vida, da sociedade, que pode até ser manipulada por desinformação por um tempo, mas não para o tempo todo. “É possível enganar algumas pessoas todo o tempo; é também possível enganar todas as pessoas por algum tempo; o que não é possível é enganar todas as pessoas todo o tempo” (Abraham Lincoln). Essa banalização de tudo tem gerado uma “normalização” preocupante do que deve ser rechaçado e não está, porque se privilegia as tais narrativas, falácias e mentiras. Vejamos: o senador da cueca afirma que o dinheiro foi o impulso de guardar o pagamento de seus funcionários e parte de seus pares aceita. O Anuário Brasileiro de Segurança Pública afirma que a cada oito minutos uma pessoa é estuprada no Brasil, e que 28% delas estão na faixa etária entre os 10 e 13 anos. Não vemos indignação quase nenhuma. É disso que eu falo.

José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de Assistência
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Caravana Fraterna
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital