Artigos

08h00

Vergonhoso

É desalentador, mesmo revoltante, quando abrimos um atento site de notícias, como o faço logo cedo, e vemos, como está postado aqui em BNews, notícias de prisão de desembargadoras e afastamento de diversos funcionários públicos, bem como do Secretário de Segurança Pública, por investigações de corrupção. É fato que culpabilidade só se vaticina em sentença condenatória, mas que é muito triste, é.. Naturalmente, aumenta uma mácula já existente sob a isenção e aí se generaliza, infelizmente, sob o agir da justiça em seu todo. 

Em primoroso artigo, ao qual me calço nessas despretensiosas considerações, o prof. Henrique Britto de Melo, membro da Sociedade Brasileira de Ciências Forenses, chama-nos à reflexão sobre o infeliz desengajamento moral e as formas pelas quais agentes públicos e cidadãos de poder se desalinham dos processos de moral e ética, na lida de suas funções, através do que chama de subprocessos cognitivos como: simplificar um dilema por meio de racionalizações e eufemismos, do tipo: todo mundo faz, o que representa isto em meio a tantos desmandos que vemos por aí. Apoiam-se nas deturpações cognitivas para minimizarem o próprio papel na conduta ilícita ou admitir que a mesma é inevitável, deslocando a responsabilidade para as circunstâncias. Reduzem a dissonância cognitiva desumanizando. vezes as vítimas ou culpando as mesmas pela ocorrência do ato corrupto e minimizando o valor das próprias instituições de Estado.

Prossegue o especialista, que as racionalizações permitem que os indivíduos justifiquem seus atos para si mesmos e perpetuem a corrupção dentro de uma organização, tornando-a sistêmica e resistente, em uma cadeia permanente de desvios. Outro pensamento comum em pessoas que cometem esse tipo de crime envolve o viés de reciprocidade, onde há uma cooperação como forma de “pagamento” por uma ajuda recebida anteriormente. Estabelece-se uma espécie de código entre os corruptos, uma espécie de associação, afirma o prof. Britto de Melo . Isso pode ser ilustrado pela ideia de que “você me ajuda e eu te ajudo”. Naturalmente, em uma espécie de rede, onde os valores se perdem, pois o que conta é o ir vir, muitas vezes em um mesmo grupo. Desta forma, é possível que uma relação de cooperação ilegal surja e se perpetue em uma organização, como um sistema.

Infelizmente, muitas vezes, as posições de poder também demonstram aumentar as chances de que uma pessoa aja de forma corrupta, quando o seu lastro já é, digamos, flexível, assevera ainda o autor inspirador do presente arrazoado.  É possível que obter poder incite modificações cognitivas acerca do julgamento moral de um indivíduo, permitindo que o mesmo tenha uma maior inclinação para cometer atos ilícitos. Além disso, existem traços comportamentais narcisistas que podem ser exacerbados, quando alguém se encontra numa situação de superioridade.

O pior ainda vem, quando uma pessoa começa a achar, a acreditar que merece algum tipo de tratamento especial e que não precisa respeitar certas regras, uma vez que se sente diferenciado dentro e na sociedade, levando, muitas vezes, a se tornar bastante prejudicial para a estrutura de um grupo ou organização, em seu todo, desconstruindo imagem e respeito no geral da sociedade. Lamentável tudo isso. 

José Medrado Líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio.

Pre | Desktop e Tablet
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Colabore
Caravana Fraterna
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Oficina de costura Romana Medrado
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário