Artigos

10h00

A fantasia do Brasil de compaixão

É muito triste o que estamos acompanhando pela mídia em geral: as pessoas estão se distanciando das questões das mortes nesta pandemia e fixando em números esquecíveis de um dia para o outro, quando não fazendo torcida para esta ou aquela situação acontecer, instigadas, muitas vezes, por uma espécie de vingança ou prevalência. Vingança na torcida do tudo errado ou prevalência dos seus pontos de vista. Dá-nos a impressão que tudo não passa de torcidas organizadas, pouco importando as vidas, as tragédias pessoais e familiares.

O país registrou 1.111 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou neste domingo 278.327 óbitos. Logo,a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias chegou a 1.832, recordes atrás de recordes. Em comparação à média de 14 dias atrás, o aumento foi de +50%, indicativo detendência em alta nos óbitos pela doença.

Não guardo ilusões de que já há muito se esfarelou aquela ideia de que o Brasil é um país de um povo solidário, generoso. Claro que há milhões de pessoas dedicadas e preocupadas com o próximo, mas ainda prevalece um ranking divulgado em 2019, uma espécie de lista (já falei dela aqui) feita pela CharitiesAid Foundation, uma instituição quase centenária com sede no Reino Unido, mostrando quais foram os países mais generosos do mundo na última década.

No topo da lista estão os Estados Unidos, conforme o World Giving Index, que é baseado nas pesquisas da Gallup na World Poll, feita com1,3 milhão de pessoas em 128 nações. Muitos poderão falar: pudera, é o pais mais rico do mundo, mas não tem nada a ver com riqueza, nem ligado ao tamanho do PIB (Produto Interno Bruto) do país, ou seja, se a Nação é ou não rica. É iniciativa do povo mesmo em ajudar.  O que testifica isso é que em segundo lugar na lista aparece Mianmar, um país de terceiro mundo no Sul da Ásia. Veremos ainda nessa lista dos dez mais generosos Sri Lanka e Indonésia, nações que estão longe de poderem ser consideradas ricas.

Agora você indaga: e o Brasil? Pois é, nesse ranking de 128 países, o Brasil aparece na 74ª posição, seguido pela Argentina, em 75º lugar. No entanto, estamos atrás de outros países vizinhos, como Colômbia (49), Paraguai (60), Bolívia (61) e Uruguai (65). O último país da lista, na 126ª posição, é a China.

O que se percebe é que está havendo uma espécie de congelamento da compaixão por parte do povo, em geral. Veremos em rápida pesquisa conceitual que compaixão é a capacidade de compreender e se colocar no estado emocional de outra pessoa ou se perceber melhor a si mesmo. Muitas vezes confundida com a empatia, a compaixão tem o elemento adicional de ter um desejo de aliviar ou reduzir o sofrimento do outro, buscando para isto formas desde as mais simples e possíveis às condições individuais do compadecido, até movimentos maiores, mais abrangentes de ajuda. Lamentável, no entanto, que o que vemos é um distanciamento desses sentimentos e ações, e cada vez mais uma espécie de cada um por si e Deus por todos. Triste, muito triste. 

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Grupo de Assistência
Caravana Fraterna
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital