Artigos

11h00

Racismo punido

É preciso, sim, que o braço pesado da justiça caia sobre todo aqueles que em nome de “brincadeiras” saia destilando o seu racismo estrutural, disseminando discriminação, preconceito, e o pior: ataque a dignidade humana dos descendentes de seres humanos que foram escravizados. Isso mesmo de seres humanos que foram escravizados, não se trata aqui de dizer descendente de escravo, porque já evidencia que os seus ascendentes tinham esta, sei lá... posição. 

Gustavo Metropolo, estudante de classe média  que chamou um colega de faculdade negro de “escravo” foi condenado por crime de injúria racial. A ofensa racista ocorreu em setembro de 2017 e teve o seu desfecho agora. Durante um intervalo de aulas na Fundação Getúlio Vargas, Gustavo tirou uma foto de João Gilberto Pereira Lima, hoje com 28 anos, e postou em um grupo de Whatsapp com a legenda “achei esse escravo aqui no fumodromo! Quem for o dono avisa”. 

João Gilberto registrou um boletim de ocorrência contra Gustavo. O caso seguiu correndo na Justiça e a condenação finalmente ocorreu nessa semana. A juíza Paloma Moreira de Assis Carvalho, da 14ª Vara Criminal, do Tribunal de Justiça de São Paulo, exara: “Restou comprovado que, por diversas vezes, o réu admitiu aos professores e coordenadores da faculdade ter sido o autor dos fatos, chegando a dizer que havia feito uma ‘monstruosidade’ e que eles estariam ‘perdendo tempo’ com uma pessoa como ele”, afirmou a magistrada.”. E prossegue, enfática e assentada em pura verdade:

“O racismo não pode ser tolerado, em hipótese alguma, pois a ciência já demonstrou, com a definição e o mapeamento do genoma humano, que não existem distinções entre os seres humanos, seja pela segmentação da pele, formato dos olhos, altura ou quaisquer outras características físicas. Não há diferença biológica entre os seres humanos, que na essência, biológica ou constitucional, são todos iguais”.

​Não cabe, portanto, considerar que são, como muitos afirmam: “a chatice do politicamente correto”, claro que não. A questão é sim de se conscientizar pela força da lei, já que para muitos há insistências de se continuar com a detratação, humilhação de seres humanos. Infelizmente, por outro lado, é lamentável que se tenha que esperar tanto tempo para que uma pessoa seja responsabilizada por este tipo de crime, porque sempre se passa a mensagem de que nada pega para que ataca a honra, a origem de uma pessoa.

​Gustavo Metropolo foi condenado a 2 anos e 4 meses de prisão, em regime aberto. A pena, no entanto, foi substituía por prestação de serviço à comunidade e pagamento de cinco salários mínimos à vítima. Honestamente? Foi pouco sobretudo o valor pago, pois, infelizmente, é corrente que as pessoas só sentem quando dói no bolso, mas de qualquer forma é uma afirmação de valores e princípios.

José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal.

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de Assistência
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Centro de Cultura e Arte Pai João
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Oficina de costura Romana Medrado
Caravana Fraterna
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de Assistência
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário