Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

LGBTQIA+

Nesta segunda-feira (28) é Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ (Lébicas, gays, bissexuais, transexuais, queer – quem transita entre as noções de gêneros, como as drags, por exemplo – intersexo – quem está entre o feminino e o masculino, assexual, e + que é utilizado para incluir outros grupos e variações de sexualidade e gênero). Infelizmente, esses grupos não têm o que comemorar, ainda neste fim de semana, no Recife,   uma mulher trans  teve 40% do corpo queimado em uma tentativa de homicídio, precisando amputar um dos braços em decorrência dos danos causados pelas queimaduras. Symmy Larrat, Presidenta da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT) afirma que o panorama da violência contra a população LGBTQIA+  se conecta diretamente com a discriminação LGBTfóbica que permeia toda a sociedade. Vê-se que é necessário urgentemente um trabalho de educação social para o respeito à dignidade humana na sua autoafirmação, nos seus processos pessoais de escolhas, em uma sociedade plural e democráticas. Tão simples aceitar e respeitar, razão pela qual sempre gera suspeição quando alguém parte com ódio para machucar ou mesmo matar alguém por sua orientação sexual. É sempre a prevalência do espelho, dizem os estudiosos do comportamento humano. 

Ainda que a criminalização de atos LGBTfóbicos se consolidou em 2019, com o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão nº 26/DF, pelo Supremo Tribunal Federal, determinando seu enquadramento como crime de racismo, nos moldes da Lei nº 7.716/89, até que seja promulgada lei específica para criminalização desta conduta pelo Congresso Nacional, acompanhamos o significante aumento da violência  destes cidadãos brasileiros, iguais a quaisquer outros, em seus direitos e deveres constitucionais. Ademais, o STF determinou que, em casos de homicídio doloso, a identificação de LGBTfobia deve ser considerada circunstância qualificadora do crime, por configurar motivo torpe. A violência contra essa população ocorre em diversos espaços:  público, no âmbito institucional, familiar, religioso, em toda a sociedade. 

Ademais de tudo isso, há, ainda, um problema na constatação dos registros desses índices de violência no Brasil, devido a carência de dados governamentais. Há uma grande subnotificação dos casos, e dentre os notificados, existe o não enquadramento das ocorrências na tipificação adequada, dificultando a verificação da real proporção da situação, o que acaba se concretizando como um empecilho no combate à violência LGBTfóbica.

O certo é que esse povo é corajoso, busca na afirmação do seu eu, a posição de dignidade, mesmo que tentam conspurcá-la, até mesmo com o uso indevido de religiões, mas segue adiante, postando-se na sociedade, ainda que culpabilizado por ser, sentir e amar.  

Pre | Desktop e Tablet
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Oficina de costura Romana Medrado
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital