Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

Essas “autoridades”...

O Brasil, infelizmente, vem sendo forjado na formação de uma espécie de corte de bajuladores. As chamadas autoridades, os de plantão pelo voto, ou os concursados em cargos vitalícios, ou mesmo os indicados para exercício temporário, notabilizam-se por uma espécie de necessidade de DNA para bajulação. Sabe-se que até 1808, quando a corte portuguesa se instala no Brasil para fugir de Napoleão, era proibido imprimir livros. Assim que surge a "Impressão Régia" nasce também a bajulação oficial. Fazer uma dedicatória elogiosa a algum poderoso era uma boa maneira de conseguir ser publicado na única tipografia do país, controlada pela Coroa. O Brasil, assim, dizem muitos historiadores, inicia a sua prática de servilismo bajulador. 
    
Maquiavel, em o seu livro O príncipe, dedicou um capítulo inteiro (XXIII) para ensinar como um governante pode “evitar os aduladores”. Nesse livro, o autor afirma que “os homens apreciam tanto a si mesmos e aos seus atos, que acabam se iludindo a tal ponto que os bajuladores passam a fazer parte de sua vida.” Em comentários de rodapés o grande imperador Napoleão Bonaparte afirmava que “são úteis, uma vez que todo príncipe precisa de estímulos, mas não deve se deixar  envolver por eles.’’.
    
Trabalhei, até a minha aposentadoria, 37 anos, em serviço por concurso ao Poder Judiciário Federal, na Justiça do Trabalho, e via como boa parte de magistrados e desembargadores se sentia patrões dos servidores, não como também funcionários em função diferente, mas patrões mesmo. Sempre afirmei que isso foi um hábito que muitos dos antigos servidores cultivaram e que agora os mais jovens estão acabando. Porém, os senhores políticos são imbatíveis nesta prática e cultivo: o servilismo. Nunca se sentem empregados de quem os colocou onde estão, no caso, o povo, ou nomeado por quem o povo quis,  mas detentores de uma espécie de unção divina, que se acreditava antigamente que os monarcas possuíam. Seja pela fraqueza de caráter ou pela força da vaidade, nossos “poderosos” têm gosto por formar em torno de si um cerco de bajuladores. É assim que deixam de ter os pés no chão e, depois de um tempo, saem desnudando os seus próprios delírios de se acharem acima do bem e do mal. Esquecem-se que estão nos cargos, e que tudo passa, acaba. Foi assim que o secretário Fábio Vilas-Boas não se deu conta e voou, achando que todos estão para reverenciá-los em seus arroubos de não sei o quê. Caiu de seus devaneios, compreendendo, espero, que o tal mundo dá voltas e é certo, e não apenas uma figura de retórica, ou expectativa de vingança, de forma alguma. Ele, o mundo, dá sim, inclusive porque a Terra não é plana.

José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de Assistência
Caravana Fraterna
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital