Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

10h00

Ruptura ou só bravata?

Em artigo publicado neste domingo (29) no jornal Folha de S.Paulo, cujo título é “Intervenção armada: crime inafiançável e imprescritível”, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski se manifesta com veemência antes não vista, de forma pública, ao presidente da República. O ministro sinaliza, em forma de recado, que  ir às últimas consequências em  romper com as instituições democráticas no dia 7 de setembro, ipsis litteris: “No Brasil, como reação ao regime autoritário instalado no passado ainda próximo, a Constituição de 1988 estabeleceu, no capítulo relativo aos direitos e garantias fundamentais, que ‘constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis e militares, contra a ordem constitucional e o Estado democrático'”.

O ministro ainda remete às regras jurídicas vigentes, inclusive a que revogou a Lei de Segurança Nacional – e tratados internacionais que criminalizam o golpe de estado, quando alguém atravessa  as linhas da  democracia, lembrando, ainda, o que  dispõe o Supremo sobre o artigo 142 da Constituição. Afirma: “O projeto de lei há pouco aprovado pelo Parlamento brasileiro, que revogou a Lei de Segurança Nacional, desdobrou esse crime em vários delitos autônomos, inserindo-os no Código Penal, com destaque para a conduta de subverter as instituições vigentes, ‘impedindo ou restringindo o exercício dos poderes constitucionais’. 

A verdade pelo meu sentir é que o presidente gera, de caso pensado e estudado, situações, discursos que servem para desviar a atenção das questões sociais que, mesmo não atingindo o patamar financeiro de um ministro Guedes, por exemplo, já alcança a grande população. Tenho presenciado essas questões diariamente na Cidade da Luz, onde pessoas batem à nossa porta atrás de botijão de gás ou algum “quilo que tenha sobrado”, de cesta básica distribuída. A verdade é que um golpe ou autogolpe como alguns conceituam, não é simplesmente nascido da vontade de um homem, mesmo que líder de milhões. É necessária, pelo menos, a cumplicidade da sociedade em sua maioria, o que, efetivamente, não existe. É articulação de um processo de sondagem, de entendimentos, inclusive envolvendo outros países e seus apoios. E nada disso vazou...difícil que esteja acontecendo. Todavia, gera, sim, instabilidade, sanha, preocupação, pois  as discussões estão acaloradas, mesmo violentas, e daí para confrontos realmente é um passo.

José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz

 

Pre | Desktop e Tablet
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Grupo de Assistência
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Grupo de Assistência
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Centro de Cultura e Arte Pai João
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital