Artigos

10h00

Fazer o bem faz bem

Não conseguiremos fazer o ideal, mas vamos fazendo o que nos é possível

O tema “empatia” aparece atualmente muito inserido no contexto do Brasil, por todos os lados estamos vendo as pessoas o inserindo em suas argumentações, conversas sobre estes momentos de pandemia, de dores. E exatamente nesse Natal, neste fim de ano que a nossa gente baiana está sendo sacudida por uma tragédia natural sem precedente na história da Bahia. Alagamento, destruição...vidas devastadas por água. Conquistas de trabalho suado sendo dissolvidas por inundações. Ainda aqui, na semana passada, escrevi em meu texto: “Todos podemos ajudar”, onde afirmei que o Brasil não tem, efetivamente, a cultura da doação, da solidariedade, salvo em momentos de catástrofe, mas, no dia a dia, e de forma fluida e perene o brasileiro não doa. Infelizmente é fato, resultado de estudos, mas eis que agora, quando “avaliamos” o ano que se encerra, onde, a priori, é o momento ideal de reconfiguração de posturas, de propostas – não deve ser apenas de perdas – poderemos dar uma ressignificação a este comportamento mais egoísta, e pôr em prática um sentimento verdadeiramente mais empático, concentrado em momentos de tragédia, de urgência, de socorro ao outro, mas buscar mantê-lo o tempo todo, no nosso dia a dia, principalmente entendendo que sempre o “maior beneficiado do ato de ajudar, não é quem recebe a ajuda, mas quem a dar” porque se plenifica, no possível, do apaziguamento de alma, por estar fazendo a sua parte.

Pessoa alguma está indene aos reverses da vida, muitas vezes em situações bem diferentes, mas precisamos viabilizar, em nossa forma de ver o mundo, o conceito de aceitação da vulnerabilidade do ser humano, pois assim o indivíduo terá condições de conseguir se colocar no lugar de outro e se sentir o mais próximo possível de sua realidade, pelo menos no lugar da dor, do sofrimento. Não, necessariamente da mesma situação.


Em verdade, a questão não se cinge a compreender o conceito de empatia para oferecer ajuda, mas em se estabelecer uma verdadeira reação de ajuda na fragilidade do outro, pois amanhã poderá ser a nossa, ou de algum nosso descendente. Uma vez, quase aos gritos, disse que minha mãe era uma boba, pois costureira em zona de prostituição, ela fazia as roupas das meninas e nada recebia...era na minha visão de época: enrolada. Um dia ela sorrindo, perguntou-me: - Você acha que eu sou boba mesmo? – Claro – respondi do auge da minha falsa lógica. Ao que me retrucou: - Filho, isto é investimento, pois faço pelas filhas dos outros, para amanhã fazerem pelos meus filhos. Ali estava, para sempre, a minha compreensão de verdadeiro investimento no Bem. Não por interesse, mas pela certeza da lei de retorno.

Aproveitemos, assim, esta necessidade humana de rituais de passagem, e passemos para um degrau adiante, da necessidade de sermos melhores. Não conseguiremos fazer o ideal, mas vamos fazendo o que nos é possível, mas sempre fazendo, a fim de que a lei do retorno nos alcance e ou aos nossos, para nos chegar a certeza de que FAZER O BEM, FAZ BEM. Revisemos a nossa vida. Já.

José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz.

Pre | Desktop e Tablet
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Colabore
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2022. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário