Artigos

11h25

Juízes da vida alheia

Não é novidade alguma que as pessoas estão se achando justiceiras, donas da verdade em tudo aquilo que julgam terem como o certo e o errado. Associam-se em grupos e se alimentam o tempo todo com os argumentos de suas teorias e achismos. A partir disso, não raro, surgem as intolerâncias de toda natureza e direção, e em um pulo sem do WhatsApp e vão em direção da consumação de suas sentenças lavradas no mundo virtual. Assim sofreu uma família do município de Poções (BA), cuja casa foi apedrejada quatro vezes em um intervalo de duas semanas e chegou a ter a energia elétrica desligada, depois que uma senhora mãe resolveu pedir para que o filho transgênero, de 12 anos, fosse chamado por nome e pronomes masculinos. Registre-se que no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4275, os ministros do Supremo Tribunal Federal admitiram a possibilidade de alteração de nome e gênero no assento de registro civil, mesmo sem a realização de cirurgia de redesignação de sexo. Desde então a janela da sala da família foi estilhaçada por pedras.

O problema teve início após o início de um processo de votação de  projeto de lei que pretende instituir no município normas a serem seguidas no tratamento de alunos trans nas escolas, bem como a oposição de um conhecido pastor na cidade, cujo áudio passado  no WhatsApp para vereadores e sociedade civil pedia por ação contra esse mesmo projeto. O pastor, que se coloca como um homem cristão, pois é,  expôs a criança, citando-a nominalmente, descrevendo a questão como "o caso de uma menina que 'não quer ser mulher, quer ser homem'" e chamando o projeto de "aberração.

A mãe da criança buscou a escola para afirmar a proteção de seu filho, quando ele começou a se queixar do desrespeito que enfrentava em uma escola municipal de Poções. A criança continuava a ser chamada pelo pronome feminino e pelo seu nome de batismo, apesar dos pedidos feitos aos professores e à direção da unidade. A mãe, bem informada, foi à escola para pedir que a resolução do MEC (Ministério da Educação), que trata desse assunto, fosse atendida, mas nada se resolveu. Um absurdo inominável. Como se não bastasse a dor familiar, no processo de apoio e orientação de seu filho, ainda há esta violência, e o pior: em nome de Deus. Realmente, não entendo que Cristo é este que essas pessoas dizem seguir? Não entro aqui nas questões emocionais da criança, inclusive porque não a conheço, nem ao seu processo de busca de identidade de gênero, porém independentemente disto tudo as pessoas não podem se arvorar a serem a balança do certo e errado em relação aos outros, sob pretensa busca do certo, ou da condenação do que julgam errado. Não guardo dúvida alguma que se trata, em verdade, de projeção da sobra de cada um, nas concepções junguiana do conceito.

josé Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal

Pre | Desktop e Tablet
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Centro de Cultura e Arte Pai João
Caravana Fraterna
Oficina de costura Romana Medrado
Colabore
Grupo de Assistência
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Centro de Cultura e Arte Pai João
Colabore
Grupo de Assistência
Caravana Fraterna
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2022. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário