Artigos

17h55

PRIVILÉGIO OU DIGNIDADE?

Há muito eu ouço: onde vamos parar? Minha mãe era pródiga em tais indagações diante de situações anômalas ao aceitável em uma sociedade, naturalmente que ela, falecida em 1982, semianalfabeta, não guardava rebuscados pensamentos filosóficos, mas tinha a sensibilidade humana diante de situações em que degradavam o equilíbrio das vivências sociais. Parece que atualmente, na sociedade mundial, continua pertinente o questionamento de minha sábia mãe. Semana passada, uma juíza se viu em grande exposição, no  chamado tribunal das redes sociais, quando em  audiência de custódia, Lana Leitão Martins, do Tribunal de Justiça de Roraima (TJ-RR), cumpriu o protocolo do Conselho Nacional de Justiça, que determina que os presos devem ser ouvidos sem algemas se não forem violentos e não existir perigo de fuga.  Durante o depoimento, a magistrada ofereceu café e um casaco a um detento que estava tremendo de frio. Foi o suficiente: o linchamento público surgiu. De um modo geral, os ataques diziam que a juíza estava dando privilégio a bandido. De logo, pensei que os comentários eram distorções entre tratamento digno e privilégio. Talvez privilegiados sejam os tais engravatados que...vocês sabem. 

Os operadores do Direito, entre advogados e exercentes de funções no Judiciários defenderam a juíza, afirmando que ela atuou de maneira correta, lembrando, inclusive, que o réu estava sendo tratado em consonância com a Constituição Federal e com os protocolos internacionais dos quais o Brasil é signatário, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Convenção Americana de Direitos Humanos.

Certamente, a esta altura deste despretensioso, alguns leitores questionam qual seria o meu comportamento se algum familiar fosse, vítima de algum bandido, o que eu faria? A depender do crime , é certo que teria ânimo de vê-lo ser maltratado, na proporção da maldade,  mas isto não guardaria tempo sob o abrigo da racionalidade, do sentimento cristão verdadeiro, haja vista que não estamos em uma barbárie - talvez verbal, sim – onde  impera a violência acionada na sede de justiça pelas próprias mãos. Inconcebível no século XXI, onde os que fomentam, fermentam os comportamentos medievais se deem conta que esses dias não são os da Idade Média. Recomendo a leitura de Leviatã, de Hobbes, para melhor entender a linha defendida pelo renovado filósofo sobre o primarismo humano e suas buscas de satisfações, de revanchismo e vingança, atropelando valores das sociedades, da leis e da convivência. Atenção: essa obra é do século XVII. Ao que parece não evoluímos muito, nem mesmo os que se proclamam cristãos, que deveriam cultivar, ou pelos tentar, a caridade. É o que sinto.

Líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal. Também é apresentador de rádio.

Pre | Desktop e Tablet
Oficina de costura Romana Medrado
Colabore
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Caravana Fraterna
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de Assistência
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Caravana Fraterna
Grupo de Assistência
Oficina de costura Romana Medrado
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Colabore
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Pituaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2024. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário