Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte o nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Site
Necessário

Artigos

14h30

Doentes de Brasil

F ernando Tenório, psiquiatra de Alagoas, alcunhou uma doença para explicar um processo que tem se tornado crônico no Brasil: doente de Brasil. O fenômeno começouaser notado por diversos psiquiatras em seus consultórios nos últimos anos de polarização política, e não apenas pela pandemia. Famílias foram divididas, amizades acabaram, as relações se estabeleceram entre nós e eles, em tempo que problemas econômicos crescem, desemprego assusta, condições de trabalho se deterioram, mesmo para os que poderiam trabalhar home office. As queixas são sempre em torno de ansiedade e depressão. O Brasil com a sua polarização política se tornou extremamente tóxico, à semelhança de relações pessoais que guardam sofrimento a partir do momento que fere, suga, desrespeita ou passa por cima do indivíduo e dos seus valores. Os limites vão sendo perdidos, e os envolvidos passam a se permitir agressões crescentes, mesmo as que são tecladas e não faladas. Personalidades estão sendo alteradas ou exteriorizadas sem restrições, evidenciando, consequentemente, distúrbios sérios, que têm levado milhões de brasileiros a passarem por medicações potentes de tarja preta, afirmam os estudiosos da área. A personalidade é considerada alterada quando apresenta desvios importantes do modo como o indivíduo, em uma dada cultura, sociedade, percebe, sente, pensa e se relaciona com os outros. A reciprocidade de ataques está, também, evidenciando fortes traços de transtorno de personalidade emocionalmente instável, onde o indivíduo tem uma tendência a agir impulsivamente sem consideração das consequências. Revela uma falta de autocontrole e também se mostra instável afetivamente. Torna-se borderline, intenso, extremista. A instabilidade sempre será um padrão nas suas relações interpessoais. Os sintomas mais marcantes são a montanha-russa emocional e a falta de controle de impulsos. O indivíduo tem acessos de violência e ou comportamento ameaçador, em geral em resposta a críticas e contraditas de outros. Naturalmente que haverá, afirmam psiquiatras, traços hereditários, mas a potencialização dessas questões de polarização política está criando padrões de intolerância, ressentimentos e verdadeiros ódios, que têm adoecido e muito as pessoas neste quadro de medo e insegurança social que vivemos. Sempre serão não as palavras, mas os sentimentos que a direcionarão em um teclado, em consumação de ira, de ódio e formação de um rancor que talvez não seja fácil de estancá-lo mais adiante. As fronteiras foram ultrapassadas. Os problemas não mais ficaram, para milhares ou mesmo milhões, no âmbito das reais necessidades sociais: aumento da cesta básica, inflação... nada importa, pois o que conta é defender narrativas. Lamentável.

José Medrado Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz medrado@cidadedaluz.com.br

Pre | Desktop e Tablet
Oficina de costura Romana Medrado
Grupo de Assistência
Centro de Cultura e Arte Pai João
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Colabore
Caravana Fraterna
Next | Desktop e Tablet
Pre | Smartphone
Caravana Fraterna
Colabore
Grupo de orientação maternal Irmã Maria Angélica
Oficina de costura Romana Medrado
Centro de Cultura e Arte Pai João
Grupo de Assistência
Projeto viver Pituaçu na Cidade da Luz
Next | Smartphone
Rua Barreto Pedroso, 295 • Ptuaçu • Salvador • BA • CEP: 41.741-030 • Brasil
Telefone: +55 71 3363.5538
E-mail: cidadedaluz@cidadedaluz.com.br
2016 - 2021. Cidade da Luz. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital